Visão escalável é o próximo passo para as startups brasileiras

Tempo de leitura: 3 minutos
Publicado em 6 de Janeiro de 2018
Categorias: Empreendedorismo

Desenvolver o plano de negócios considerando expansão global é um dos principais desafios dos empreendedores

por Mônica Miliatti*

O cenário das startups brasileiras está mudando, com os empreendedores conquistando mais visibilidade. Nos últimos três anos, o amadurecimento do mercado foi impulsionado pela criação de entidades, projetos de incentivos do governo e linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entre outros.

A jornada, no entanto, ainda é longa. Os primeiros insights da “Radiografia do Ecossistema Brasileiro de Startups”, desenvolvida pela Associação Brasileira de Startups (ABStartup), em parceria com a Accenture, apontam que os três maiores desafios dos empreendedores brasileiros até 2020 são: engajamento do cliente, estratégia de marketing e estratégia de precificação e receita.

Há, ainda, uma questão cultural que precisa ser transformada: a visão regionalizada do negócio. “O conceito por trás de uma startup é oferecer o melhor produto ou serviço com escalabilidade para mercados em todo o mundo, e não apenas em território nacional. Diferentemente de outros países, o empreendedor brasileiro tem dificuldade em adotar uma visão de expansão global durante o planejamento estratégico do negócio”, explica Alex Granjeiro, diretor da Genova, centro de empreendedorismo da Spread.

Por esse motivo, a comunidade de aceleradoras é parte fundamental para mudar essa mentalidade do empreendedorismo brasileiro. “Como diretor da Genova estive muito próximo de investidores e aceleradoras que já se tornaram nossos parceiros, além do contato diário com inúmeros empreendedores em busca de aprimoramento e mentoria – e o ponto da globalização sempre se mostra deficiente”, comenta Alex.

Normalmente produtos e serviços idealizados por startups em busca de investidores já estão em funcionamento em alguns clientes, mas o foco de uma aceleradora é expandir a solução em múltiplos mercados, sempre com base em uma metodologia de análise de risco, considerando o potencial de crescimento mundial.

“Uma startup que aproveita todos os recursos do processo sai de programas de aceleração completamente transformada. O empreendedor tem a oportunidade de estressar cada mínimo detalhe de sua ideia, usando os mais diferentes processos de validação, como Design Thinking, modelos Lean, estudos de viabilidade e mentoria com especialistas de mercado”, detalha Alex, “além de estar em constante contato com um universo que inclui não apenas startups, mas grandes empresas dos mais variados setores”.

Consequentemente, o empreendedor tem espaço para fazer networking e interagir com times de mentores, geralmente compostos por uma gama multidisciplinar de especialistas que ajudam a expandir a visão de negócio. Isso resulta em uma cocriação estrutural e estratégica que ajuda a evitar erros,  alavancando a atuação da startup no mercado.

Perfil empreendedor

O êxito das startups também depende do perfil empreendedor de seus fundadores, que devem apresentar alto grau de conhecimento, especialização e comprometimento naquilo que oferecem. Para 2018, o desafio continua sendo de extrair e gerar o máximo possível de conhecimento e inovação.  A  comunidade de empreendedores brasileiros deve, segundo Alex, desenvolver projetos escaláveis, pensando em expansão global, e firmar parcerias com aceleradoras que desenvolvam intercâmbios com universidades e ecossistemas de startups em outros países.

“O pontapé inicial para o desenvolvimento das startups brasileiras já foi dado. A internacionalização é o próximo passo para que aceleradoras e startups posicionem seus negócios e aproveitem ao máximo para absorver novos e diferentes conhecimentos. Quanto maior a troca de competências e experiências, além do território nacional, maiores são as chances de encontrarmos os verdadeiros unicórnios do empreendedorismo mundial”, conclui Alex.

*Mônica Miliatti é  jornalista na essense, agência responsável pela estratégia de conteúdo da Spread

#Genova #SpreadTecnologia #Spread, #Empreendedorismo #Globalização