por | fev 28, 2022

Indústria 5.0: sua empresa está pronta para dar o próximo passo?

Pronto ou não, a indústria 5.0 está acontecendo. 

Enquanto muitas organizações ainda estão pensando em como automatizar tarefas manuais para melhorar sua eficiência e produtividade (princípios da indústria 4.0), a próxima fase da industrialização já chegou. 

Neste sentido, não podemos negar que a automatização é importante. Aliás, faz muito tempo que o ser humano entendeu o potencial da aplicação da tecnologia como um meio para o progresso. 

Máquinas a vapor, linhas de montagem e a computação são alguns dos avanços mais representativos que aconteceram nos últimos séculos. E, novamente, tudo buscando formas de produzir mais, melhor, e em menos tempo. 

Mas, por outro lado, essa busca por escalar a capacidade produtiva, massificar qualquer coisa que nos propusemos a desenvolver, acabou, ironicamente, afastando os produtos ou serviços dos seus usuários finais, e até mesmo dos envolvidos em suas criações. 

Na indústria 5.0, o mais importante não é que o software tal consiga processar 15 vezes mais informações do que sua versão anterior, que o robô de uma linha de montagem consiga fabricar 1500 peças por minuto ou mesmo que o novo amplificador de sinal atinja o dobro de quilômetros. 

Ampliar a capacidade de funcionamento de um dispositivo não configura uma revolução. O que realmente faz com que inauguremos uma nova era é quando mudamos um paradigma. 

Por exemplo, quando falamos de UX (user experience), um termo que foi utilizado pela primeira vez ainda nos anos ‘90, mas que só veio a se popularizar mais recentemente, estamos falando de colocar o usuário no centro, certo?

Na indústria 5.0, o princípio é o mesmo. Trata-se de colocar os indivíduos no centro do que, do por que e onde produzimos qualquer tipo de coisa, assim como já estamos fazendo em outras áreas. 

Chegou a hora de dar aquele toque humano na automatização. Seu negócio está pronto para isso? Siga com a leitura e descubra!

O que é a indústria 5.0

Em termos simples, o termo indústria 5.0 faz referência ao trabalho colaborativo entre homens e máquinas inteligentes. 

Ou seja, são robôs que ajudam os seres humanos a trabalharem melhor e mais rápido, aproveitando as novas tecnologias de ponta como a Internet das Coisas (IoT), Machine Learning, Inteligência Artificial (IA) e Big Data, só para citar algumas. 

A real mudança da indústria 5.0 em relação à 4.0 é que ela adiciona um ‘toque humano personalizado’ aos pilares da automação e eficiência que nos acostumamos a ver na indústria 4.0. 

Por exemplo, em ambientes de manufatura, todos os trabalhos insalubres, perigosos, monótonos e fisicamente mais exigentes (como soldagem em uma fábrica, carga e descarga em um armazém, etc.) foram paulatinamente sendo realizados por robôs. 

Mas isso também praticamente tirou as pessoas dos ambientes de fabricação. E, na medida em que as máquinas estão se tornando mais inteligentes e conectadas, a indústria 5.0 vai conciliar a computação cognitiva com a inteligência humana e inaugurar uma nova era de operações colaborativas. 

Um bom exemplo fictício que podemos usar é o sistema J.A.R.V.I.S (Just A Rather Very Intelligent System), ou “Apenas um Sistema Bastante Inteligente”. 

No universo Marvel, JARVIS é uma interface dotada de linguagem natural que opera com inteligência artificial e assessora seu criador em qualquer atividade que ele desenvolva, da criação de novas tecnologias à gestão dos negócios. 

Voltando à vida real, pode ser que ainda não tenhamos nenhum JARVIS servindo a nossos propósitos, mas a Universal Robots, uma empresa da Dinamarca, já começou a mudar isso. 

Enquanto os robôs industriais costumam funcionar separados das pessoas, muitas vezes até isolados por gaiolas de segurança, as criações da Universal Robots trabalham lado a lado com os funcionários. 

De fato, mais do que estarem mais próximos, os robôs da Universal podem ser emparelhados com os trabalhadores e reproduzir suas ações. E eles não são meros repetidores: respondem a comandos visuais e são pensados para “tarefas que os trabalhadores não devem fazer sozinhos”. 

Percebe como a Indústria 5.0 une o melhor de dois mundos? A automação a serviço da eficiência e a integração com humanos no sentido de criar trabalhos colaborativos entre pessoas. 

Parece coisa de filme, mas isso já está acontecendo. 

 

Em linhas gerais, podemos destacar 3 princípios da Indústria 5.0: atenção no ser humano, na resiliência e na sustentabilidade. 

Ao invés do foco estrito e tradicional na tecnologia e no crescimento econômico, a nova indústria assume conceitos mais transformadores. Agora, os objetivos de desenvolvimento incorporam elementos relacionados ao progresso humano, social e ao bem-estar. 

De acordo com a Comissão Europeia, há quatro categorias de tecnologias que devem funcionar como catalisadores da indústria 5.0 e que são particularmente interessantes para este e-book, confira.  

#01 Digital Twins

Os negócios de vanguarda e mais preocupados com o futuro já estão gerando novos padrões de qualidade, eficiência e visibilidade antecipada de seus produtos e ecossistemas.

Como? Adotando o conceito de digital twin. Trata-se da versão virtual de produtos ou sistemas reais de uma companhia. 

São uma réplica digital, que reproduz todas as características de sua versão física. São especialmente úteis para que seus criadores tomem decisões mais assertivas, ao permitir que problemas sejam identificados antes do lançamento. 

Mas um digital twin também pode ser aplicado a processos, físicos e não físicos. Como uma espécie de espelho, reproduz a transferência de dados típica de dispositivos de IoT, IHMs (Interface Humano Máquina), hardware de borda, sensores, etc. 

#02 Tecnologias de transmissão, armazenamento e análise de dados

Na indústria 5.0, o combustível da inovação são os dados. Os avanços recentes em matéria de conectividade, armazenamento e análise, incluindo também os sistemas baseados em funcionamento em cloud ou edge cloud são fundamentais para qualquer empreendimento que queira mergulhar na nova era. 

#03 Inteligência Artificial

Para que as máquinas e sistemas possam evoluir, elas necessariamente precisam contar com tecnologias como machine learning e inteligência artificial. Tanto no que se refere à qualidade como à produtividade, a IA faz parte do kit de ferramentas essencial para que a indústria 5.0 possa acontecer. 

Nota: Estas três primeiras categorias de tecnologias já fazem parte do paradigma da indústria 4.0. Nas próximas três, você vai encontrar os princípios mais amplos do alcance da indústria 5.0

#04 Personalização da interação entre homens e máquinas

Nesta categoria reside o que seria o conceito mais relevante e disruptivo da indústria 5.0: a reintrodução do elemento humano em processos e sistemas que foram automatizados com o uso de tecnologias visando à supereficiência. 

Podemos dizer que, de certa forma, o elemento humano devolve “a alma” aos processos em série, por meio da produção colaborativa. Ou seja, toda nossa imaginação e flexibilidade estão sendo potencializadas pela colaboração de robôs colaborativos, os cobots. 

Começamos a trocar a produção em massa pela personalização em massa, onde máquinas inteligentes e humanos experientes são tanto ágeis como customizados. 

Para que este princípio se torne realidade, são empregadas tecnologias como:

Machine learning: algoritmos dinâmicos que ajudam as máquinas e sistemas a lidarem com situações diferentes de forma diferente e funcionarem de acordo com necessidades pontuais.

IoT: lembra que falamos dos digital twins? Para que estes modelos virtuais funcionem, é fundamental ter os dados operacionais levantados. E para que isso aconteça de forma dinâmica, serviços na nuvem dão mais agilidade para que o mapeamento de um sistema em campo aconteça de forma imediata.

IA: a inteligência artificial aproveita os dados colhidos para prever comportamentos, encontrar anomalias e encontrar respostas para eventuais necessidades. 

Big Data: aqui, os dados temporais, transacionais (resultados de transações, como as financeiras), analíticos (como os de manutenção preventiva), físicos, entre outros, são o combustível para que a indústria 5.0 se aproxime mais, e melhor, das atividades humanas. 

Como você pode ver, vários dos princípios não são exatamente novos. Mas, sim, há diferenças marcantes na forma como vamos lidar com as mesmas tecnologias daqui em diante.

Os automóveis, por exemplo, sempre existiram, são uma invenção popular e massificada. Por outro lado, se você pensar em um automóvel Tesla, estamos frente a uma verdadeira inovação. A Indústria 5.0 busca exatamente vencer o desafio de criar produtos e sistemas melhores e evoluir invenções já conhecidas. 

Por que o salto para a indústria 5.0?

Antes de entrarmos no detalhe do como ser 5.0, é importante que você entenda os porquês.

E a resposta, neste caso, é bastante simples: se seu negócio ainda não entrou para a indústria 5.0, pode ter certeza de que já existe um consumidor 5.0.

Previamente, neste e-book, falamos da importância da UX e de como é fundamental devolver o usuário ao centro de nossas atenções. O usuário de hoje privilegia o bem-estar e o compromisso das organizações com as quais interage com pautas mais humanizadas. 

Essa demanda deve ecoar na sua organização, e a melhor forma de atendê-la é conduzir seu negócio para a nova era industrial. 

Antes de qualquer iniciativa, avalie algumas questões do funcionamento atual de sua organização:

1) A automação faz parte de sua rotina?

Já existe uma cultura de automatizar processos em sua organização? De investir em tecnologias que permitam que as tarefas manuais sejam desempenhadas por equipamentos e/ou sistemas?

2) Seu foco está nas pessoas?

As tecnologias em uso atualmente em seu negócio servem a um ambiente de trabalho onde o bem-estar dos funcionários está em primeiro lugar? Seus clientes têm a opção de receber um tratamento diferenciado, de acordo com suas necessidades particulares?

3) Os valores ESG fazem parte da sua companhia?

O termo ESG faz menção ao compromisso corporativo com valores como o  ambiental, social e de governança. Define as organizações que implementam o sustentável em toda a sua cadeia produtiva e buscam causar impactos positivos na sociedade. 

4) Existe uma cultura de inovação?

Não se equivoque: estamos na era da incerteza. 

Se sua organização ainda não percebeu, tudo está mudando o tempo todo. Por mais que seja confortável permanecer inerte, principalmente quando os negócios vão bem, o mais provável é que eventos inesperados mudem tudo de um momento para o outro. 

Só para dar um exemplo, podemos citar a pandemia. As organizações que relutaram em adotar o funcionamento remoto provavelmente tiveram muito mais dificuldade em manter as operações em dia nos últimos dois anos. 

Estar um passo à frente e inovar não é só indicado, é imprescindível. 

Como dar o próximo passo para a indústria 5.0?

Se sua organização atende todos os itens citados no tópico anterior, perfeito. Caso contrário, vocês podem começar por eles, e então partir para as seguintes ações:

#01 Adote a totalidade de seus princípios

Por mais que a implementação das ferramentas e soluções tecnológicas associadas à Indústria 5.0 possam ser inseridas aos poucos, é preciso que isso seja pensado a partir de uma estratégia macro.

#02 Capacite suas equipes para o que vêm por aí

Não existe Indústria 5.0 sem que seus colaboradores façam parte da mudança de mindset. Afinal de contas, se a nova era é centrada nas pessoas, comece pelas que fazem seu negócio acontecer. 

Iniciativas como capacitações e treinamentos associados a esta nova forma de produzir devem ser parte da forma como suas equipes serão orientadas daqui por diante. 

#03  Pratique o lean thinking

Lean Thinking é uma filosofia herdada da indústria 4.0 que busca agregar valor aos produtos e serviços de uma organização ao evitar desperdícios na cadeia produtiva. 

Nesta prática, a melhoria contínua é parte integrante do funcionamento da empresa, e todos os níveis do empreendimento são empoderados para otimizarem suas práticas. 

Como a Spread pode te ajudar

Apesar do componente tecnológico, você deve ter percebido que grande parte das ações necessárias para a entrada de sua organização na era da Indústria 5.0 tem a ver com a cultura da empresa. 

Isso depende, em grande parte, de sua decisão de mudar o ambiente em prol de fomentar um  movimento em direção à nova indústria. 

Por outro lado, a Spread está à sua disposição para todas as iniciativas que demandem a incorporação de novas tecnologias que deem sustentação operacional que sigam os princípios da Indústria 5.0.

Nossas soluções permitem que você otimize seu fluxo de dados, melhore as rotinas de manutenção, elimine tarefas improdutivas e interconecte sistemas e funções de uma forma mais humana e altamente eficiente. 

A inovação em serviços de tecnologia é parte de nossa missão. Entre em nossa página e entenda como podemos lhe ajudar. 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre o seu e-mail para receber os nossos conteúdos