por | jun 22, 2022

Conheça o Data Mesh: a mais nova tendência na arquitetura de dados

Você já ouviu falar de Data Mesh? Uma das inovações mais recentes da humanidade foi, sem dúvida, a revolução digital. Em sua esteira, podemos citar o surgimento da inteligência artificial (IA), que veio para otimizar processos e liberar nossos maiores talentos de tarefas manuais. Vemos no dia a dia o trabalho colaborativo entre as pessoas e a tecnologia.  

Mas há outra revolução em curso, e ela tem como base a informação, os dados.  

De modelos centralizados e controlados por poucas pessoas ou empresas, estamos vendo como, por exemplo, a tecnologia blockchain mudando paradigmas em vários segmentos.  

Especialmente no setor financeiro, as cadeias de blocos estão eliminando intermediários e democratizando o poder de decisão entre mais atores, sem importar a hierarquia que ocupem em um determinado contexto.  

Nada mais natural, afinal de contas: por que manter a gestão dos dados na mão de alguns poucos, se a informação é muito mais poderosa quando utilizada por todos? 

Inclusive, estamos na era da informação, e a mais recente tendência em dados dentro de ambientes corporativos segue igualmente a linha da democratização a seu acesso.  

Neste contexto, surgiu o conceito de Data Mesh. Quer saber do que se trata? Continue conosco! 

Afinal, o que é data mesh? 

Em uma definição simples: o data mesh faz menção à capacidade de uma organização permitir que todos os seus setores e colaboradores possam definir, acessar e controlar todos os seus próprios dados. 

A ideia é assimilar de que os tomadores de decisão de um negócio, de cada departamento, são os players que mais compreendem as necessidades específicas de informação de sua área.   

Ou seja, ao invés de sempre ter a estrutura de dados de uma organização sendo definida verticalmente, o primeiro ponto do data mesh se refere a entregar a autoridade da informação a quem está diretamente envolvida com ela.  

Indo além dos stakeholders, o data mesh, que literalmente significa malha de dados, é uma arquitetura que dá acesso aos usuários finais a toda e qualquer informação que eles julguem necessária.  

Lembra quando falamos sobre blockchain e a democratização do uso das informações? No data mesh, vale a mesma lógica.  

De fato, mais do que democratizar, o data mesh elimina intermediários. Digamos que um assessor de vendas precise ter acesso a estatísticas de produtos vendidos, mas tenha que pedir auxílio a equipes especializadas em dados para filtrar, processar e organizar os resultados; no data mesh, ele faz isso com autonomia.  

Por que usar uma malha de dados? 

Silos de dados, você já deve ter ouvido falar sobre isso ou até mesmo ter passado pela experiência de não conseguir ter acesso a uma simples informação que era fundamental para que alguma decisão fosse tomada. 

Como o data mesh foca em descentralização, a propriedade dos dados desaparece. Logo, sem importar o departamento, ou o nível do colaborador, todas as transações mais importantes e não-sigilosas podem ser acessadas facilmente.  

Mas há algo que ainda não mencionamos neste artigo e que igualmente representa um fator importantíssimo do data mesh: além da acessibilidade garantida aos dados, qualquer modificação que seja feita neles também fica visível para todos.  

Em outras palavras, os dados são tanto abertos à consulta como suas modificações são detectáveis e permitem que a fonte seja rastreada.  

Quer visualizar o conceito do data mesh? 

Imagine a hierarquia tradicional de dados como um guarda-chuva, no qual toda a estrutura é dependente de um ponto de apoio central, sem o qual tudo, literalmente, não funciona. 

Esta é a vantagem do data mesh, esse ponto de convergência simplesmente não existe. Ao invés de uma estrutura com um pilar central, toda a cobertura está apoiada em múltiplos pontos, cada um representando um (por exemplo) setor de sua companhia, ou fonte de informações.  

Por mais que algum destes pontos, que também são chamados de nós, deixe de funcionar, a rede ainda mantém sua comunicação, já que ela é descentralizada.  

Sobre os nós, eles podem ser várias coisas: microsserviços, bancos de dados de uma área em particular e aplicativos. Esta lista se estende por tudo que, de alguma forma, está diretamente relacionado com o funcionamento de sua organização.  

Vantagens do data mesh 

Já falamos que a malha de dados descentraliza o controle das informações em um ambiente corporativo e relacionamos alguns conceitos. Mas se pudermos organizar pontualmente as vantagens da malha de dados, poderíamos destacar 4 questões em particular: 

Dados como produto: e, à sua vez, os produtos destes dados, que podem ser entendidas como informações limpas, íntegras e sem ruídos, podem ser acessados por qualquer usuário do sistema, a qualquer momento, onde quer que ele esteja, sempre de acordo com seu nível de acesso.  

Propriedade compartilhada das informações: os usuários são tanto consumidores como criadores de dados, o que minimiza a dependência de equipes que se dediquem a intermediar a gestão das informações (como cientistas e engenheiros de dados) 

Acesso imediato: contar com informações na hora em que for preciso é importante, mas é mais importante ainda saber que estas informações são fiéis à realidade, ou seja, estão atualizadas e representam o estado geral ou específico de qualquer atividade. 

Governança: democratizar o acesso à informação não significa abandonar a gestão responsável dos dados. Pelo contrário, as políticas de segurança e conformidade também fazem parte do data mesh, mas cada domínio (área, ferramenta, atividade) tem autonomia sobre a geração de suas próprias informações.  

Todos estes fatores combinados podem ser reunidos ao redor do conceito de Data Fabric. Mas, o que é isso? 

Se o data mesh é o princípio, o Data Fabric é a estratégia. É como o design de toda essa estrutura disruptiva vai funcionar, dependendo das necessidades de sua organização.  

Data Fabric é análise, descoberta e decisão. Aplicando permanentes observações, cruzando informações e buscando novas formas de interagir os dados, encontra-se a melhor forma de conduzir uma organização.  

Se você achava que o mundo estava mudando rápido demais, com a implementação de tecnologias de automação, prepare-se para um novo salto: otimizamos processos e agora chegou a hora de otimizar a forma como lidamos com a informação. 

Quer receber mais conteúdos como este, e ficar por dentro sobre as tendências em tecnologia? Entre em nosso Blog, e inscreva-se em nossa newsletter! 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre o seu e-mail para receber os nossos conteúdos