por | abr 5, 2022

Automação na área financeira: conheça 5 processos que podem ser automatizados

A adoção de automação RPAs (Robotic Process Automation) não para de crescer no mundo dos negócios. 

De acordo com uma pesquisa publicada há pouco tempo pela Fortune Business Insights, o mercado global de automação de processos robóticos deve atingir nada menos do que a cifra de 6.81 bilhões de dólares, no final de 2026. 

Especialistas também indicam que inclusive o mercado da própria tecnologia RPA deve dar um salto impressionante até o final de 2022. Analistas da Gartner afirmam que o tamanho do mercado de soluções em RPA deve chegar a quase 3 bilhões de dólares nesse período. 

O fato é: a RPA se converteu em um componente essencial para a maioria dos negócios, inclusive para o setor bancário e de seguros. 

Entre as razões para a adoção de processos automatizados também no mercado financeiro, destaca-se a turbulência causada pela pandemia do Coronavírus. Cortar custos e dar um boost na receita é uma das saídas encontradas por instituições financeiras de todo o mundo. 

Mais ainda, o RPA é um componente estratégico do setor bancário, principalmente em tempos de transformação digital e adaptação para os novos padrões de consumo dos usuários. 

Mas, vamos entrar no detalhe desse ecossistema e ver como isso está acontecendo? Continue com a leitura!

Oportunidades de automação na área financeira

Em primeiro lugar, podemos abordar um tipo de operação que não admite a possibilidade de erro, as transações de câmbio. 

Organizações que operam com pagamentos e transações do tipo cross-border, ou seja, com comércios transfronteiriços, nos quais consumidores locais adquirem produtos em moeda estrangeira, é comum encontrar entre 15 e 17 etapas de conversões e validações.

Obviamente, tratar isso desde uma escala humana é praticamente impossível, e arrisca-se a que falhas nas conversões criem um enorme prejuízo para a empresa. 

E além do comércio, no envio e recebimento de divisas entre fronteiras, ou qualquer outro tipo de transação que envolva mais de uma moeda, contar com integrações que conectem métodos de pagamento dos mais diversos por meio de APIs garante que cada etapa seja cumprida à risca. 

Isso também permite que a identificação de pagamentos de ordens de câmbio aconteça em segundos, ao contrário do que pode ocorrer em processos tradicionais deste tipo de operação. 

A indústria bancária e a automação

Ainda que a automação unindo inteligência artificial seja uma das características da hiper automação para tarefas complexas, automações para aplicar em tarefas simples, por meio de RPA, podem agregar valor concreto nas operações bancárias se aplicadas corretamente. 

Confira alguns dos usos possíveis em instituições bancárias:

1. Automação de execução de processos em ERPs​

Organizações financeiras podem tirar ainda mais proveito de seus ERPs (enterprise resource planning) ao automatizar as contas a pagar do começo ao fim. 

É perfeitamente possível conectar o ERP com os vários sistemas de entrega de faturas, uma tarefa que costuma ser feita de forma manual. Uma automação nesta escala pode reduzir o trabalho manual em até 90%, acelerar o tempo de resposta em 85% e economizar 50% do tempo dos funcionários envolvidos. 

2. Compliance

Atender às normas de compliance é fundamental para que os bancos evitem multas e façam operações à prova de risco. Quando se automatizam os processos regulatórios, todos os requisitos podem ser configurados no sistema para que nenhuma regra fique de fora. 

Além disso, uma instituição bancária pode se apoiar na precisão de uma RPA para que os relatórios sejam um fiel retrato do que representam. Processos de auditoria ficam muito mais fáceis e assertivos quando é possível ter uma visão detalhada dos registros e quando a transparência é garantida pelo software. 

Inclusive, podem ser aplicados modelos dinâmicos personalizados, para que as regras de compliance sempre tenham uma resposta do sistema. Toda e qualquer alteração em regulamentos é rastreada e são feitos os ajustes necessários para atender aos requisitos de conformidade. 

3. Subscrição de apólices

No momento de calcular os riscos de uma determinada apólice, todos os dados do requerente são recebidos pela instituição financeira. A análise e a revisão das informações são uma parte chave, antes de tomar qualquer decisão. 

Não é um processo simples, e pode levar bastante tempo. Mas, com a automação RPA, os bots podem coletar todos os dados necessários, em vários sistemas, e obter os dados de cobertura usados na criação de relatórios de sinistros. 

O que levaria dias, é feito em instantes quando o acesso a todas as informações é realizada pelo sistema, que ainda tem capacidade de processar muito mais dados simultaneamente para finalmente determinar o fator de risco do cliente. 

4. Detecção de fraudes no acionamento de seguros

A detecção de fraudes costumava ser uma tarefa delegada a experts com “faro” para este tipo de comportamento dos assegurados. Falsos sinistros sempre foram um problema para as seguradoras, e as fraudes estão avançadas tecnologicamente que é muito difícil identificar cada caso. 

Com ferramentas de automação, os pedidos de acionamento de seguro são submetidos a uma triagem capaz de detectar anomalias, sempre em base a dados e informações do cliente. 

Quando uma solicitação é feita, os bots podem escanear diferentes plataformas em busca de qualquer ocorrência suspeita e disparar um alerta para uma análise mais próxima dos agentes humanos. 

5. Entrada de novos clientes

O processo de admissão de novos clientes é uma das partes mais sensíveis a fraudes em instituições bancárias. 

Conhecido como KYC (know your customer), vários documentos de identificação precisam ser analisados e isso envolve um esforço operacional significativo para que cada um seja validado. 

Uma das soluções possíveis é combinar a RPA com a Visão Computacional (CV) e o Reconhecimento Ótico Inteligente de Caracteres (OCR). Com essa fórmula, as informações mais relevantes são extraídas e a identidade é validada se tudo estiver correto. 

Este tipo de automação não só ajuda a minimizar as tarefas manuais, como também libera sua equipe de back-office para dedicar sua expertise a tarefas com maior valor agregado. 

A automação RPA é uma forma de otimizar as operações, e garantir de que qualquer informação é efetivamente correta, o que é algo do qual não se pode preterir. 

 

Aqui, na Spread, somos especialistas em automação. Fale com um de nossos especialistas, e faça um diagnóstico dos seus processos.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre o seu e-mail para receber os nossos conteúdos